Temor ao Nome de Deus

O profeta Jeremias, segundo ordenança divina, posicionou-se na porta do Templo de Deus em Jerusalém para admoestar todas as pessoas que foram lá adorar ao Senhor e disse-lhes: ¹

“Assim diz o Senhor dos Exércitos, o Deus de Israel: Melhorai os vossos caminhos e as vossas obras, e vos farei habitar neste lugar.

Não vos fieis em palavras falsas, dizendo: Templo do Senhor, templo do Senhor, templo do Senhor é este.” (Jr 7.3-4)

Esta foi uma chamada de Deus para Seu povo ao arrependimento, á pratica da justiça e deveres sociais; ao abandono do formalismo religioso, da hipocrisia, da opressão sobre estrangeiros, órfãos e viúvas. O Senhor o acusou de violar metade dos Seus mandamentos (com homicídios, adultérios, falsidade e adoração á deuses) e disse-lhe: ²

“E então vireis, e vos poreis diante de mim nesta casa, que se chama pelo meu nome, e direis: Fomos libertados para fazermos todas estas abominações?

É pois esta casa, que se chama pelo meu nome, uma caverna de salteadores aos vossos olhos? Eis que eu, eu mesmo, vi isto, diz o Senhor.” ( Jr 7.10-11)

O nome do Senhor é santo por ser a expressão da Sua pessoa, das qualidades e a manifestação de Seu caráter. Quando invocado, temos acesso á Sua presença, misericórdia, proteção, salvação, libertação e demais bênçãos. Logo, os que nEle confiam devem obedecê-lO, louvar e glorificar Seu nome com amor e temor. ³

No entanto, este povo viva uma falsa religião pois perjurou contra o Senhor e profanou Seu santo nome ao usá-lo em vão, causando indignação e tristeza em Deus  4. Pois, Ele disse-lhes:

Oh! se eu pudesse consolar-me na minha tristeza! O meu coração desfalece em mim.
Eis a voz do clamor da filha do meu povo de terra mui remota; não está o Senhor em Sião? Não está nela o seu rei? Por que me provocaram à ira com as suas imagens de escultura, com vaidades estranhas?”  (Jr 8.18-19)

 “ Oh! se a minha cabeça se tornasse em águas, e os meus olhos numa fonte de lágrimas! Então choraria de dia e de noite os mortos da filha do meu povo.” (Jr 9.1)


Há escritores que interpretam que os versículos 8.18 e 9.1 dizem respeito á fala de Jeremias lamentando sobre o juízo de Deus em meio ao povo. Há pessoalidade na expressão “filha do meu povo” e Deus declara que Seu povo era parte dEle  em :

“Assim diz o Senhor dos Exércitos: Considerai, e chamai carpideiras que venham; e mandai procurar mulheres hábeis, para que venham.
E se apressem, e levantem o seu lamento sobre nós; e desfaçam-se em lágrimas os nossos olhos, e as nossas pálpebras destilem águas.”  (Jr 9.17-18)

Portanto, seguindo esta linha de raciocínio,  percebemos que não apenas os versículos anteriormente citados, mas inclusive os versículos 8.20-22 representam a fala do Senhor.


O povo se entregou á apostasia, rejeitou as admoestações de Deus e recusou reconhecê-lO; progredindo na iniqüidade e ignorância espiritual. 5

 Portanto assim diz o Senhor dos Exércitos: Eis que eu os fundirei e os provarei; pois, de que outra maneira procederia com a filha do meu povo?

Uma flecha mortífera é a língua deles; fala engano; com a sua boca fala cada um de paz com o seu próximo mas no seu coração arma-lhe ciladas.

Porventura por estas coisas não os castigaria? diz o Senhor; ou não se vingaria a minha alma de nação tal como esta?” (Jr 9.7-9)

Perseverante, justo e usando de misericórdia, Deus conclama o povo a conversão de atitude diante do pecado e demonstra a fragilidade do homem que se afasta da Sua presença, confia em si mesmo e nas riquezas que o “mundo” oferece.

“Assim diz o Senhor: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorie o forte na sua força; não se glorie o rico nas suas riquezas,

Mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me entender e me conhecer, que eu sou o Senhor, que faço beneficência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o Senhor” (Jr 9.23-24)

Jeremias finaliza a mensagem no templo enfatizando que o povo de Deus deve abster-se das superstições e costumes de povos idólatras; desprezar imitações pecaminosas e más associações. Estes ídolos e adoradores são condenados ao juízo. 6

Estes ídolos roubaram a adoração que deveria ser direcionada apenas á Deus, as quais Ele abomina e as denominam como costumes dos povos, vaidades e obra  de enganos, criadas, adornadas e carregadas pelo homem, por não possuírem vida devido á ausência de espírito. Inclusive, acrescenta: 7

Não tenhais receio deles, pois não podem fazer mal, nem tampouco têm poder de fazer bem.” (Jr 10.3-5)

Igrejas são comumente classificadas como denominações nas quais pessoas congregam em Deus para louvor, adoração e ofertar em Seu nome. Na bíblia, também são chamadas de casa de oração ou templo do Senhor (Antigo Testamento). 8


Jesus durante seu ministério, “entrando no templo, começou a expulsar todos os que nele vendiam e compravam,
Dizendo-lhes: Está escrito: A minha casa é casa de oração; mas vós fizestes dela covil de salteadores.” (Lc 19.45-46)

A expressão usada por Jesus ás pessoas que compravam e vendiam no templo (covil de salteadores) é semelhante á que Deus usou (caverna de salteadores) em Jr7.11 .

Salteadores são ladrões, malfeitores ou pessoas que desviam outras de Deus para a seguirem. Logo, o espaço físico no qual as pessoas deveriam se reunir para cultuar ao Senhor, foi tomado pela vaidade humana, através dos seus objetos de idolatria, iniquidades e auto-suficiência. 9

Nesta pregação, o Senhor diz ao Seu povo que deseja a purificação tanto dos templos religiosos que usam Seu nome, quanto da vida de cada adorador Seu. Logo, o servo do Senhor deve dentro e fora das igrejas refletir o caráter de Deus, em amor, respeito e reverência ao Seu Santo nome.

Devemos meditar se cada atitude nossa exalta ou blasfema o nome do Senhor, o qual proferirmos servir.


“ Ó Senhor, Senhor nosso, quão admirável é o teu nome em toda a terra, pois puseste a tua glória sobre os céus!” (Sl 8.1)

“Lembramo-nos, ó Deus, da tua benignidade, no meio do teu templo.
Segundo é o teu nome, ó Deus, assim é o teu louvor, até aos fins da terra; a tua mão direita está cheia de justiça.” (Sl 48.9-10)


 

A paz do Senhor !

Referências:

  1. Jr 7.1-2
  2. 1Sm 15.22; Ec 5.1; Mt 25.35; Ex 23.9; Dt 27.19; Lv 19.34; Jr 7.5-9; Dt 19.10; 1Sm 19.5; Os 4.2
  3.  Ex 3.13-15/ Sl 18.2; 20.1; 54.1; 86.11; 105.1-3; 119.132 / Is 43.11; Ml 3.5 / Mt 5.33; 6.9-13 /
  4. Dt 5.11; Lv 19.12; Sl 78.35-37; Ez 33.30-32; Tt 1.16;
  5. Jr 8.5; 9.3-6 / 1 Tm 4.1;
  6. Jr 10.2-5; 44.18
  7. Jr 10.2-5; 10.14-16
  8. Is 56.7-8;
  9. Mc 15.27-28; Lc 10.30; Jo 10.1-8

 

 

FacebookTwitterGoogle+Compartilhar

Publicado por

Gisele

" É necessário que Ele cresça e que eu diminua." (Jo 3.30)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *