Navegando com Jesus

Jesus ao começar ensinar, ajuntou-se uma multidão para ouví-lO, “de sorte que Ele entrou e assentou-se num barco, sobre o mar; e toda a multidão estava em terra junto do mar. E ensinava-lhes muitas coisas…”. (Mc 4.1-2)

Esta multidão representa as pessoas, que apesar de terem tido acesso á Palavra de Deus, optaram por não seguirem os ensinamentos ministrados por Jesus. No entanto, Seus discípulos, através da fé, O seguem e compreendem melhor do verdadeiro Deus revelado na pessoa e obra de Jesus Cristo ¹.

Naquele mesmo dia, sendo já tarde, Jesus disse á Seus discípulos:

 “Passemos para o outro lado.” (Mc 4.35)

Atendendo ao direcionamento de Jesus, “ eles, deixando a multidão, o levaram consigo, assim como estava, no barco; e havia também com ele outros barquinhos.

E levantou-se grande temporal de vento, e subiam as ondas por cima do barco, de maneira que já se enchia.

E ele estava na popa, dormindo sobre uma almofada, e despertaram-no, dizendo-lhe: Mestre, não se te dá que pereçamos?

E ele, despertando, repreendeu o vento, e disse ao mar: Cala-te, aquieta-te. E o vento se aquietou, e houve grande bonança.

E disse-lhes: Por que sois tão tímidos? Ainda não tendes fé?

E sentiram um grande temor, e diziam uns aos outros: Mas quem é este, que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Mc 4.36-41)


Havia outros barquinhos com Jesus. Entretanto, seus discípulos  optaram por embarcar na companhia dEle, enquanto outras pessoas apenas O seguiam á uma certa distância.

Com conseguinte, estas não desfrutaram da presença do Senhor mais intimamente, sendo guiados pelos servos dEle. Portanto, não vivenciaram experiências mais profundas com Ele. Experiências que resultariam em maior intimidade com Deus e amadurecimento espiritual.

O percurso navegado representa a vida espiritual do cristão caminhando junto á Deus. O temporal de vento simboliza as diversas dificuldades e perseguições que os servos do Senhor vivenciam devido ao anúncio da Palavra. Segundo Jesus:

“Lembrai-vos da palavra que vos disse: Não é o servo maior do que o seu senhor. Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós…” (Jo 15.20)

Durante o temporal, apenas o barco no qual Jesus estava foi mencionado. Logo, os tripulantes dos demais é a representação de cristãos instáveis que iniciam sua “caminhada” com Jesus. Porém, desistem de a continuar por temor ao que enfrentariam pelo caminho. Portanto, naufragam na fé e O abandonam, deixando de ser discípulos para fazerem parte da multidão mencionada anteriormente.

Entretanto, quanto temos fé e comunhão com Cristo, não precisamos ficar temerosos. Pois, Deus manterá em Jesus as nossas emoções e pensamentos na verdadeira, perfeita e humanamente incompreensível paz em qualquer situação que vivenciarmos, nos auxiliando no momento oportuno e determinado por Ele 2.

O despertar citado no texto possui ao menos alguns sentidos. Caracterizam despertar de um sono comum e do sono da morte ³, indicando a natureza humana de Cristo.

Como os integrantes daquele barco estavam enfrentando perigo iminente, o despertar também possui o sentido de estimular  Deus para ação 4 , apontando a natureza Divina de Jesus.

Os sentidos mencionados estão em concordância pois juntos revelam Deus na pessoa humana de Jesus.


A timidez citada no texto é relativa á falta de fé que os discípulos demonstraram. Segundo Jesus, “se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá, e há de passar; e nada vos será impossível.” (Mt 17.20)

Deste modo, não é necessariamente o tamanho da fé que resolverá um grande problema (deslocar um monte). Mas inclusive, a qualidade da mesma. Por intermédio da fé em Cristo nos tornamos filhos de Deus. Portanto, herdeiros da salvação. A boa fé é alicerçada em uma vida de oração e conhecimento da Palavra. Inclusive, é aperfeiçoada e justificada através das boas obras realizadas para o Reino de Deus 5.

Há um só Senhor e uma só fé. Com conseguinte, firmes convicções positivas relativas a resolução, obtenção ou realização de algo sem estarem firmemente fundamentadas na Palavra de Deus (portanto, sem o intermédio de Jesus), podem possuir qualquer nome ( crença, misticismo, religiosidade, pensamento ou energia positivos…), menos fé 6.

Prossigamos em conhecer ao Senhor, permitamos que o Espírito Santo de Deus faça a Sua obra em nossa vida e conservemos “… a fé, e a boa consciência, a qual alguns, rejeitando, fizeram naufrágio na fé.” (1Tm 1.19)

Pois, sem fé é impossível agradar á Deus, ” porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam.” (Hb 11.6) 

” … nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência,
E a paciência a experiência, e a experiência a esperança.
E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.” (Rm (5.3-5)

A Paz do Senhor !

 Referências:

  1. Mc 4.10-20
  2. Jo 16.33; Fp 4.7; Ec 3.1; 3.17
  3. Zc 4.1; Jó 14.12
  4. Sl 7.6; Is 51.9; Sl 49.23
  5. Co 13.2; Gl 3.26; Rm 10.17; Mc 9.29; Tg 2.17-22;
  6. Hb 11.1-3; Ef 4.4-5

 

 

FacebookTwitterGoogle+Compartilhar

Publicado por

Gisele

" É necessário que Ele cresça e que eu diminua." (Jo 3.30)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *