Louvai ao Senhor

Josafá fervorosamente iniciou um reavivamento religioso com motivação e atitude nobres e eficazes, ao destruir objetos de idolatria de suas terras e enviar ministros para ensinar a Palavra de Deus ao povo. 1

O Senhor, devido a fidelidade e fé obediente de Josafá, concedeu-lhe bênçãos, prosperidade abundantes e apoio fervoroso de toda nação, confirmando seu reino e o honrando publicamente. Inclusive, ofereceu-lhe proteção divina inviolável contra ameaças de nações inimigas. E, alguns de seus inimigos ainda lhe trouxeram presentes. 2


“Sendo os caminhos do homem agradáveis ao Senhor, até a seus inimigos faz que tenham paz com ele.” (Pv 16.7)


Mesmo ciente de que Acabe havia induzido o povo sobre o qual reinava á idolatria, Josafá fez íntima aliança com o mesmo (casando seus filhos), e ainda aceitou o convite de Acabe para o auxiliar na guerra contra os sírios em Ramote de Gileade, dizendo : 3

Como tu és, serei eu; e o meu povo, como o teu povo; iremos contigo à guerra … Peço-te, consulta hoje a palavra do Senhor.” (2Cr 18.3-4)

Logo, Acabe convocou quatrocentos profetas para esta consulta. Todos estes garantiram vitória da batalha em nome de Deus. Porém, Jeosafá desconfiou da veracidade da profecia.

Micaías, em nome de Deus, orientou-os a não subirem á peleja e, revelou que os demais profetas profetizavam segundo espírito de mentira. Entretanto, além de Acabe prender Micaías por ter ouvido do mesmo profecia do Senhor que não o agradou, junto a Josafá e ao povo, foram á referida batalha.  5

O que repreende o escarnecedor, toma afronta para si; e o que censura o ímpio recebe a sua mancha.” (Pv 9.7)

O rei da Síria ordenou aos capitães dos carros que guerreassem apenas contra Acabe. Ou seja, além de Jeosafá desobedecer ao Senhor, enfrentou uma batalha que não lhe pertencia.  6

“Sucedeu que, vendo os capitães dos carros a Jeosafá, disseram: Este é o rei de Israel, e o cercaram para pelejar; porém Jeosafá clamou, e o Senhor o ajudou. E Deus os desviou dele.
Porque sucedeu que, vendo os capitães dos carros, que não era o rei de Israel, deixaram de segui-lo.” (2 Cr 18.31-32)

Ao retornar para sua casa, Jeú foi ao encontro de Jeosafá e lhe disse:

“Devias tu ajudar ao ímpio, e amar aqueles que odeiam ao Senhor? Por isso virá sobre ti grande ira da parte do Senhor.” (2Cr 19.2)

“E sucedeu que, depois disto, os filhos de Moabe, e os filhos de Amom, e com eles outros dos amonitas, vieram à peleja contra Jeosafá.” (2Cr 20.1)

“Não sejas companheiro do homem briguento nem andes com o colérico,
Para que não aprendas as suas veredas, e tomes um laço para a tua alma.” ( Pv 22.24-25)

Enquanto Josafá possuía uma vida de consagração ao Senhor, obedecendo-O e buscando agradá-lO sinceramente; Deus protegia Josafá de tal forma que motivou seus inimigos a o temerem, impedindo ataques contra ele. 7

Devido a desobediência de Josafá, a comunhão entre ele e o Senhor foi violada, resultando no afastamento da presença dEle. Consequentemente, perdeu a proteção inviolável do Senhor. Logo, os inimigos de Josafá deixaram de o temerem, o que motivou uma multidão deles se unir para o atacar. 8

Então, Josafá levantou um clamor sincero á Deus diante de toda congregação. E, quando todos estavam em comunhão no Senhor, em espírito de oração, o Espírito de Deus consolou e instruiu o povo através de  Jaaziel: 9

“… Não temais, nem vos assusteis por causa desta grande multidão; pois a peleja não é vossa, mas de Deus.” (2Cr 20.15)

Nesta batalha não tereis que pelejar; postai-vos, ficai parados, e vede a salvação do Senhor para convosco, ó Judá e Jerusalém. Não temais, nem vos assusteis; amanhã saí-lhes ao encontro, porque o Senhor será convosco.” (2Cr 20.17)

“Então Jeosafá se prostrou com o rosto em terra, e todo o Judá e os moradores de Jerusalém se lançaram perante o Senhor, adorando-o.
E levantaram-se os levitas, dos filhos dos coatitas, e dos filhos dos coratitas, para louvarem ao Senhor Deus de Israel, com voz muito alta.” (2Cr 20.18-19)

Josafá seguiu o direcionamento de Deus. E, na manhã seguinte, ordenou cantores diante de seu exército para adorar ao Senhor e disse-lhe:

“Louvai ao Senhor porque a sua benignidade dura para sempre.
E, quando começaram a cantar e a dar louvores, o Senhor pôs emboscadas contra os filhos de Amom e de Moabe e os das montanhas de Seir, que vieram contra Judá, e foram desbaratados.” (2 Cr 20.21-22)

Os adversários destruíram uns aos outros. Ou seja, a batalha foi vencida á partir do momento que Josafá permitiu Deus agir, colocando diante das armas humanas (o exército), armas espirituais (louvor a Majestade de Deus). 10   

No livro de Atos dos Apóstolos, Saulo, enquanto perseguia os cristãos, vivenciou uma experiência espiritual e ouviu:

“Saulo, Saulo, por que me persegues?
E ele disse: Quem és, Senhor? E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões.” (At 9.4-5)

Portanto, o acontecido com Saulo somado á última batalha de Josafá citada acima, demonstram que as afrontas que um servo de Deus vivencia, são defendidas pelo Senhor e é uma ofensa pessoal a Ele. Enquanto estes servos vivem em obediência e fidelidade á sua Palavra, encontram refúgio nEle para que com confiança enfrentem as adversidades da vida. 11 

Quando estes servos erram, ao clamarem em devoção e sinceridade a Deus em meio aos problemas, Ele pode lhes conceder livramento por misericórdia. Porém, nem sempre os isentam de receberem as consequência do erro que praticaram.

Louvemos ao Senhor em sinceridade, devoção e amor, oferecendo-O algo que seja importante para nós, ainda que seja a própria renúncia. Honrando-O independentemente das situações, com ações e palavras ; e confessando a santidade e os méritos realizados por Jesus. Logo, produziremos frutos agradáveis a Deus. 12


“Bendizei, povos, ao nosso Deus, e fazei ouvir a voz do seu louvor,” (Sl 66.8)


A paz do Senhor!


Referência:

  1. 2 Cr 17.1-9; 17.11-14;
  2. 2 Cr 17.10-11
  3. 1Rs 16.28-33; 2Rs 8.18;  2Cr 18.1
  4.  2Cr 18.5-6
  5. 2 Cr 18.16; 18.22; 18.27
  6. 2Cr 18.28-31
  7. 2Cr 17.10; Dt 28.1-2
  8. 2 Cr 20.2; Is 59.2;
  9. 2 Cr 20.3-14
  10. 2 Cr 20.23-24
  11. Dt 28.1-14; Sl 1; Mt 7.21-27; 25.40
  12. Mt 10.38-39; Lc 12.34; Jo 1.12; Sl 84.4; Rm 8.17; Hb 13.15; Ap 4.11
FacebookTwitterGoogle+Compartilhar

Publicado por

Gisele

" É necessário que Ele cresça e que eu diminua." (Jo 3.30)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *