Jesus nos Relacionamentos

Maria, Jesus e Seus discípulos foram convidados para participarem das bodas em Caná da Galiléia (Jo 2.1-2). Maria percebeu que o vinho havia terminado e alertou isto á Jesus (Jo 2.5).

O vinho é uma bebida produzida através da uva, era comum nas festividades naquela época e possuía algumas simbolizações: alegria (Jz 9,13, Is 24.11), benção Divina (Dt 7.13; Os 2.22), prosperidade (Sl 104,15; Zc 10,7) e comunhão em Cristo (Mt 26.27-28) .

Maria, como judia, conhecia a importância cultural que esta bebida representava para seu povo. E, a escassez da mesma na festa, exporia o noivo á uma situação constrangedora, pois poderia causar insatisfações e murmúrios entre os convidados. Logo, ela mobilizou os serventes da festa á agirem conforme o direcionamento de Cristo.


“Disse-lhes Jesus: Enchei de água essas talhas. E encheram-nas até em cima.

E disse-lhes: Tirai agora, e levai ao mestre-sala. E levaram.

E, logo que o mestre-sala provou a água feita vinho (não sabendo de onde viera, se bem que o sabiam os serventes que tinham tirado a água), chamou o mestre-sala ao esposo,” (Jo 2.7-9).

 


Mestre-sala era a pessoa responsável pelo cerimonial das bodas. Por isso, á ele foi oferecido o vinho novo para que o mesmo avaliasse sua qualidade antes que fosse servido aos convidados.

Os serventes agiram em obediência ás palavras de Jesus, no entanto, o milagre não ocorreu de imediato. Pois enquanto os serventes tiraram a bebida da talha para servir ao mestre sala, ainda era água (Jo 2.9). Entretanto, no momento no qual o mestre sala provou da bebida, o milagre da transformação da água em vinho já havia ocorrido.

O trecho bíblico citado imediatamente acima nos ensina quanto a  importância da obediência ao direcionamento do Senhor nas pequenas coisas, e a não preocupação em demasia quanto aos problemas que surgem, mas sim, que todas as nossas “… petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica…” (Fp 4.6). Logo, a paz de Deus, que é acima da capacidade humana de compreensão, nos consolará e nos manterá firmes em Cristo Jesus (Fp 4.7). O tempo certo e determinado pelo Senhor para agir é segundo Seu propósito (Ec 3.1). Logo, Ele jamais se atrasa (Jo 11.1-45).

Por conseguinte, assim como os serventes necessitaram de um tempo para ver o milagre acontecer, nós podemos necessitar de um tempo também para vivenciá-lo.


“E disse-lhe: Todo o homem põe primeiro o vinho bom e, quando já têm bebido bem, então o inferior; mas tu guardaste até agora o bom vinho.

Jesus principiou assim os seus sinais em Caná da Galiléia, e manifestou a sua glória; e os seus discípulos creram nele.” (Jo 2.10-11)

O vinho que Jesus proveu foi superior ao melhor vinho que o noivo pode oferecer na festa (Jo 2.9).  Demonstrando que não há nada tão bom que possa se sobrepor á alegria, á riqueza espiritual e as benções que apenas Jesus possa oferecer-nos. Por mais realizado alguém possa ser na vida, há um lugar que apenas Cristo possa preencher e “…Deus, segundo as Suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus.” (Fp 4.19)

Quando não “experimentamos” o amor de Cristo em nossas vidas, instintivamente tendemos á buscar suprir o “vazio” deixado por Ele com diversas outras coisas, como trabalho, relacionamentos, riquezas materiais,  sabedoria (Ec 1; Ec 2). Então, o ser humano promove uma busca constante a uma satisfação pessoal inatingível. Após a conquista ser realizada na vida, a pessoa perde a contentamento por ela e  busca outro “objeto” para satisfazer seu “vazio interior”.


Qual é o lugar em nossa vida que pertence a Jesus?

Devemos amar á Deus acima de todas as coisas (Mc 12.30). Devemos honrá-lO pelo simples fato Dele ser digno (Ap 4.11), e para isso, devemos fazer o mesmo em relação á Jesus (Jo 5.22-23). Apenas conhecendo quem é Jesus podemos O honrar dignamente. Portanto, é necessário examinar as Escrituras Sagradas á fim de conhecê-lO (Jo 6.39) e praticar tudo o que Ele nos ensinou através dela. Desta forma, demonstraremos nosso amor á Jesus, consequentemente Deus Pai nos amará, pois o amor de Deus Pai e Deus Filho (Jesus) não podem ser separados  (Jo 14.21). Quem ama á seus entes queridos mais que á Jesus, não é digno Dele (Mt 10.37).

Á princípio, Jesus foi convidado para as bodas como um simples convidado (Jo 2.1-2). Porém, após o milagre da transformação da água em vinho, Jesus proveu alegria á esta festividade com uma maravilhosa demonstração de Sua glória. Por conseguinte, Ele recebeu o lugar de destaque que Lhe era devido, pois Seus discípulos creram Nele (Jo 2.11) e seu nome foi o primeiro á ser mencionado após sua saída da festa acompanhado de Seus seguidores que também eram convidados (Jo 2.12).

Jesus pode permitir que passemos por situações difíceis ou constrangedoras, para que possamos oferecer-Lhe o lugar que apenas Ele pode ocupar em nossa vida: o  primeiro amor (Ap 2.4)


Quem são as pessoas que te auxiliam em momentos difíceis? Inclusive, com quem você divide momentos íntimos seus?

Nestas bodas, foi primordial para o noivo possuir serventes que obedecessem á voz do Senhor (Jo 2.7-9). Devemos, inclusive, possuir em nosso convívio social pessoas tementes ao Senhor como Maria, que discretamente sem causar alarde ás demais pessoas quanto ao problema surgido,  possa advertir-nos quando o vinho do Senhor Jesus está faltando em nossa vida. Ou seja, quando nossa alegria e a comunhão com o Senhor Jesus estiver “esfriando”, o que provoca danos espirituais, que poderá refletir negativamente em várias áreas de nossa vida, inclusive na própria salvação.

Deseja a presença de Jesus ? Conviva com servos Dele (Jo 12.26) e congregue com os mesmos (Mt 18.20).


Falando em relacionamentos…

Jesus foi um homem bastante social durante Seu ministério terreno, pois andou acompanhado de discípulos, se aproximava de multidões para a ensinar (Mt 5.1) e ela O seguiu (Mt 8.1). Jesus ensinou que a comunhão entre os “irmãos” precede a oferta que oferecemos à Deus (Mt 5.23.24), pregou contra a dissolução da união conjugal (Mc 10.6-9), nos ensinou a ser misericordiosos e restaurou relacionamentos.

Um dos relacionamentos que Jesus restaurou, foi o da mulher que padecia do mal do fluxo de sangue (Lc 8.43-45). Pois, quando ela ainda era doente, era considerada impura pela sociedade (Lv 15.19-28). Portanto, não poderia ser tocada por ninguém pois tudo que tocasse se tornaria imundo (Lv 19.22). Tal situação a tornava marginalizada pela sociedade em qualquer área da vida. Após a cura, pode receber e dar carinho ás pessoas amadas. Caso fosse casada, poderia retornar, após doze anos de doença,  ter relacionamento íntimo com o marido e dividir a mesma cama com ele (Lv 15.26). E caso fosse solteira, poderia começar á sonhar em construir família.


Se tinha alguém que gostava de se relacionar com pessoas e restaurar relacionamentos foi Jesus Cristo!

 

E você? Além de convidar Jesus para operar nos seus relacionamentos, você já vez tudo o que Ele te disse?

 

“Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo.” (Ap 3.20)

Jesus

 

 

A paz do Senhor!

 

 

 

 

FacebookTwitterGoogle+Compartilhar

Publicado por

Gisele

" É necessário que Ele cresça e que eu diminua." (Jo 3.30)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *