A Mulher Cananéia

 

Jesus se dirigiu aos “… termos de Tiro e de Sidom. E, entrando numa casa, não queria que alguém o soubesse, mas não pôde esconder-se;

Porque uma mulher, cuja filha tinha um espírito imundo, ouvindo falar dele, foi e lançou-se aos seus pés.” ( Mc 7.24-25)

 

A palavra “termos” pode significar áreas, localização (Gn 10.19; Ex 10.19; Js 19.10-12) ou limite territorial (Ex 10.21), semelhantemente ao citado no texto acima. Tiro e Sidom eram cidades localizadas na terra de Canaã (Js 19.25-30), habitadas pelo povo cananeu (Jo 3.4-5), que após a peregrinação dos judeus pelo deserto, foram dadas por Deus aos filhos da tribo de Aser como herança (Js 19.24). Como esta tribo não expulsou os cananeus destes territórios, os judeus que lá viveram se expuseram ás cultura e idolatria que eram lá praticados, que desagradavam á Deus (Jz 1.31-32).

 A mulher citada era cananéia e foi ao encontro de Jesus saindo “ … daquelas cercanias”. Ou seja, antes de se aproximar de Jesus,  abandonou tudo de sua antecedência pagã e da atual vida que a afastasse de Deus e “ clamou, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de mim, que minha filha está miseravelmente endemoninhada.” (Mt 15.22)

 “Mas Jesus disse-lhe: Deixa primeiro saciar os filhos; porque não convém tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos.” ( Mc 7.27)

 O pão citado, simboliza Jesus (Jo 6.35). Portanto, Ele disse á mulher que estava cumprindo o propósito de Deus que era anunciar a Sua palavra aos judeus (Mt 15.24).

“Ela, porém, respondeu, e disse-lhe: Sim, Senhor; mas também os cachorrinhos comem, debaixo da mesa, as migalhas dos filhos.

Então ele disse-lhe: Por essa palavra, vai; o demônio já saiu de tua filha..” ( Mc 7.28-29)

Deus conhece a nossa personalidade, pensamentos (Rm 8.27; Sl 139.1-6) e não pode mentir (Tt 1.2). Logo, você é aquilo o que Ele te disse ser e não necessariamente o que você pensa sobre si, nem tampouco o que os outros dizem sobre você. Enquanto Deus diz o seu caráter, as pessoas falam de sua fama.

Portanto, corretamente agiu a cananéia na presença de Jesus. Pois, ela se humilhou, O adorou (Mt 15.25) e não tentou justificar as próprias falhas diante dEle. Ela confessou a todas mediante a frase “Sim, Senhor…” (Mt 7.28), ou seja:

— Eu poderia até nem saber que possuía as falhas que o Senhor mencionou. Mas se o Senhor está dizendo, eu aceito Suas palavras.

A mulher citada ainda pronunciou contentar-se com o que o Senhor estava disposto á oferecê-la, quando mencionou que comeria das migalhas. Então, ela demonstrou humildade em reconhecer não ser digna de misericórdia, que por sua vez, foi alcançada pela graça e não por merecimento.

“Então respondeu Jesus, e disse-lhe: Ó mulher, grande é a tua fé! Seja isso feito para contigo como tu desejas…” (Mt 15.28)

No Evangelho de Jesus segundo Mateus, a cananéia clamava á Jesus, mas  Ele “… não lhe respondeu palavra..”

A bíblia não relata o tempo pelo qual ela implorou por socorro á Jesus. Porém, foi o suficiente para que Seus discípulos se incomodassem e intercederem em favor dela (Mt 15.23). Aparentando, á princípio, que Jesus a ignorou. Entretanto, como Jesus não rejeita á ninguém que O busque de “coração”, Seu intuito de não atendê-la prontamente era  para  provar até que ponto ela seria capaz de negar seu passado de idolatria, despir-se do orgulho e confessar a fé nEle perante os homens. Como ela demonstrou fé e humildade, Ele não apenas deu o que ela desejava, mas a exaltou também. Pois: “… o que a si mesmo se exaltar será humilhado; e o que a si mesmo se humilhar será exaltado. (Mt 23.12)

“E, indo ela para sua casa, achou a filha deitada sobre a cama, e que o demônio já tinha saído.” ( Mc 7.30)

 A Palavra de Deus nos ensina que a nossa luta não  é “contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais (Ef 6.12)”

Portanto, esta mulher mesmo oriunda de um povo que adorava deuses pagãos, possuía discernimento espiritual o suficiente para reconhecer que o mal que convivera em casa, não era sua filha, mas o que agia através da mesma. E, que apenas Jesus poderia libertá-la. Por isso,  mesmo sofrendo muito, a cananéia manteve a filha na própria casa, intercedendo por ela.

Apenas por ouvir falar de Jesus, a mulher  saiu ao encontro dEle (Mt 7.25), pela fé, reconhecendo Sua autoridade divina. Logo, ela rogou e clamou em alta voz que Jesus provesse a libertação espiritual de sua filha ( Mc 7.26), e assim Ele a fez.

 “ De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.” (Rm 10.17).

Com conseguinte, a história desta mulher nos ilustra o quão importante é que anunciemos a palavra de Deus. Com a esperança de que cada um de nós aproximemos  “… com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno. “ (Hb 4.16)

Assim como a mulher cananéia, que escolhamos nos aproximar, adorar e entregar nossa vida ao Senhor Jesus independentemente de qualquer barreira que possa surgir em nossa vida. E, não venhamos a desistir de interceder pelas vidas que se encontram afastadas dEle. Para que as mesmas, possam alcançar a graça de Deus através de Jesus (1 Co 1.4).

E, independentemente de como e quando tenha surgido a barreira que bloqueia a sua aproximação de Jesus, é você quem deve  ultrapassá-la!

Quando estamos em Cristo Jesus, “… nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir,
Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor.” (Rm 8.38.39)

 

 

 

A Paz do Senhor!

 

FacebookTwitterGoogle+Compartilhar

Publicado por

Gisele

" É necessário que Ele cresça e que eu diminua." (Jo 3.30)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *